Solicitação de esclarecimentos sobre o cumprimento das decisões camarárias relativamente às “Obras de Reabilitação da Capela de Sant’Ana em Salir do Porto”, a qual foi recentemente reconstruída, questionando se o estudo detalhado foi elaborado e entregue porque, aparentemente, não se distinguem as pedras anteriormente existentes da ruína em relação ao actualmente reconstruído

O Vereador do Partido Socialista (PS) Jaime Neto voltou a questionar o executivo municipal relativamente às “Obras de Reabilitação da Capela de Sant’Ana em Salir do Porto”, perguntando se o estudo detalhado foi elaborado e entregue porque, aparentemente, não se distinguem as pedras anteriormente existentes da ruína em relação ao actualmente reconstruído. Solicitou por isso … More Solicitação de esclarecimentos sobre o cumprimento das decisões camarárias relativamente às “Obras de Reabilitação da Capela de Sant’Ana em Salir do Porto”, a qual foi recentemente reconstruída, questionando se o estudo detalhado foi elaborado e entregue porque, aparentemente, não se distinguem as pedras anteriormente existentes da ruína em relação ao actualmente reconstruído

O projecto de reconstrução da Capela da Senhora de Santa Ana, em Salir do Porto, cujas origens remontam ao séc. XII, deve ser respeitador da singularidade do sítio e do seu enquadramento paisagístico, assim como das pedras que constituem a actual ruína, devendo observar-se os princípios e orientações constantes das convenções e cartas internacionais sobre a reabilitação do património construído, nomeadamente os da Carta de Cracóvia (2000)

O Vereador Jaime Neto apresentou uma recomendação ao executivo municipal para que o projecto de reconstrução da Capela da Senhora de Santa Ana, em Salir do Porto, cujas origens remontam ao séc. XII, seja respeitador da singularidade do sítio e do seu enquadramento paisagístico, assim como das pedras que constituem a actual ruína, devendo observar-se … More O projecto de reconstrução da Capela da Senhora de Santa Ana, em Salir do Porto, cujas origens remontam ao séc. XII, deve ser respeitador da singularidade do sítio e do seu enquadramento paisagístico, assim como das pedras que constituem a actual ruína, devendo observar-se os princípios e orientações constantes das convenções e cartas internacionais sobre a reabilitação do património construído, nomeadamente os da Carta de Cracóvia (2000)