PS votou contra as “Grande Opções do Plano da Câmara Municipal para o ano de 2014”

O Grupo Municipal do Partido Socialista votou contra as “Grandes Opções do Plano da Câmara Municipal para o ano de 2014”, na sessão de 10 de dezembro de 2013 da Assembleia Municipal.

Brasão_Caldas_da_Rainha

As “Grandes Opções do Plano da Câmara Municipal para o ano de 2014” foram todavia aprovadas com 18 votos a favor (grupo municipal do PSD e todos os Presidentes de Junta com a excepção do Presidente da Junta da Foz do Arelho)  e  11 votos contra (grupos municipais do PS, CDS, MVC e PCP).

António Ferreira (membro em regime de substituição), fez uma intervenção analítica destas “Grandes Opções do Plano  para 2014” em nome do Grupo Municipal do PS  :

ANÁLISE DO PLANO E ORÇAMENTO PARA 2014

O orçamento é um instrumento político e de fazer política no sentido em que é nele que são vertidas as principais linhas de orientação ou de medidas de acção política para o bem comum.

E isto tem muita importância no presente Orçamento porque marca ou devia marcar o inicio de um novo ciclo político de 4 anos, saído de umas eleições onde são apresentadas aos eleitores promessas de acção.

E, por tal, queremos dizer que, tal como no passado, falta aqui um olhar da realidade social económica e política actual e no futuro breve e depois, na sequência disto ou mesmo sem esse olhar, falta uma orientação estratégica que enquadre as principais medidas ou linhas de orientação que enquadrem as receitas e as despesas aqui apresentadas, nem que seja dizer que “nestes primeiros dois anos, a nossa prioridade vai para resolver a questão da reabilitação urbana que está a provocar embaraços urbanísticos e económicos aos caldenses” e “para resolver processos que estão pendentes há cerca de 20 anos nesta Câmara”. Nem que fosse para dizer isto e nós perceberíamos o documento que estamos aqui a analisar.

Infelizmente, nada se diz, e mais grave ainda do nosso ponto de vista, nada distingue este orçamento do orçamento do ano anterior, mantendo-se os mesmos projectos e a mesma distribuição de verbas grosso modo.

Quer isto dizer que continua a mesma forma de fazer política-não envolvendo os cidadãos-e o mesmo conteúdo de acção-olhar muito para as obras e pouco para as pessoas.

Em termos gerais, este Orçamento apresenta dados que nos deixam dúvidas da sua concretibilidade, por exemplo:

– Aponta apenas um decréscimo da “receita corrente” de 4% e um acréscimo de 8,2% no “rendimento de propriedade”;

– Apresenta apenas um decréscimo de 3% nos “impostos diretos” quando nos impostos “indirectos” prevêm uma quebra de 33,5% ;

Consideramos que isto corporiza a teoria política da miragem do estado de graça.

– Relativamente à despesa, não há grande diferença na evolução global da despesa face ao ano anterior, o que também não é crível?  Apenas se desce 39.000€ nas despesas correntes face a 2013?

Em termos específicos, queremos salientar os seguintes aspectos:

– Na Educação, o orçamento vai destinado para despesas regulares de funcionamento-transportes, refeições-correto, mas pensamos que poderia haver um esforço de reforço da verba de aquisição de equipamento.

Nesta área, merece uma profunda reflexão a verba de “aquisição de prédio urbano” no valor de 2.400.000€, sendo que as verbas de requalificação são um pouco irrisórias.

No Ensino superior,  a que se refere a verba de 35.600€ para a construção da ESE? São dívidas antigas e o caminho de acesso continuará na mesma?

Na Cultura, o Arquivo Municipal continuará adiado sine die, as verbas da Biblioteca Municipal parecem-nos insuficientes, sendo que esta merece muito mais investimento,  e mantém-se o nível de transferências para a Culturcaldas, merecendo aqui uma reflexão mais aprofundada sobre o modelo de gestão e que está agendada.

No Desporto, uma série de promessas que deveriam ser discutidas-2 campos de futebol sintético e não se resolve ou ajuda a resolver a requalificação do Campo da Mata ou outro. Introduz-se a verba para resolver o Pavilhão da Mata, esperando nós que se concretize. As transferências para as Associações mantêm-se ou até aumentaram relativamente ao ano anterior.

Na Ação Social,  o orçamento é basicamente para obras, sendo que os subsídios de apoio à infância e os subsídios para estudantes carenciados apresentam os mesmos valores que no ano anterior assim como o Fundo de Emergência Social. Resta-nos encarar como positivo os benefícios com o Cartão do Idoso orçamentados em 80.000€.

Contudo, nesta área, somos totalmente contra este orçamento, porque as medidas não se adequam à realidade social e só para dar um exemplo, temos dados de que neste ano aumentaram em 1800 o nº de famílias que recorreram ao Banco Alimentar do Oeste e as medidas que existem não são devidamente usadas ou publicitadas.

No apoio à saúde, a verba para investimentos é pouca— 150.000€

Na Habitação Jovem,  continua contemplada mas sucessivamente adiada.

No Planeamento Urbanístico e Habitação, a revisão do PDM vem contemplada mas o Plano Estratégico continua adiado. Continuamos a pagar dívidas de obras anteriores e continuamos com verbas de aquisição de terrenos e prédios urbanos no valor de 300.000€ o que não nos faz sentido.

Os prolongamentos da 1ª e da 2ª Circular são mais uma vez adiados e a ligação a Stª Catarina e Benedita, um dos eixos estruturantes do nosso desenvolvimento ou foi adiado ou foi retirado.

A verba para os arranjos das entradas Norte e Nascente parecem-nos insuficiente-10.000€ – o que nos indicia algo… Estamos confiantes, no entanto e pelo menos, que se concretize a conservação da rede viária da cidade e do Coto e já agora em que a marcha está na moda, convidar-vos-ia a fazer o caminho entre o Coto e a cidade-não seria marcha mas um “corta mato suburbano”.

No Comércio, grande disponibilização de verbas para a promoção da cidade, mas as verbas para o mobiliário urbano parecem-nos insuficientes, assim como as do Plano RAMPA e repare-se no valor “descomunal” da reabilitação urbana e o seu impacto em termos do orçamento. Continuamos só a fazer obra…

Estão previstas verbas para “guardas-nocturnos” que deverão merecer enquanto projecto um olhar mais reflectido.

No Turismo, as verbas são para a requalificação das arribas da Foz e construção do Espaço Turismo.

Nos Cemitérios, a construção do complexo continua eternamente prevista mas sempre adiada.

Nas feiras, a questão da ADIO parece-me ser algo que deve merecer alguma reflexão profunda, pois 340.000 para aquisição do edifício e mais 100.000 para a entidade não nos parece razoável sem discutir as razões que levaram a tal. Aqui temos uma novidade, que é o lançamento da Feira da Fruta e deixa-se cair, em principio, a Feira  do Cavalo e esperamos que rearranque a Feira da Cerâmica.

Nas Zonas Industriais, a aquisição de terrenos significam mais 350.000€ e o Parque de Base Tecnológica usufrui de verba irrisória de 10.000€, sendo que o Caldas Competitiva com o Centro de Inovação não usufrui de orçamento.

Esta área também nos merece uma profunda reflexão até face à luz das promessas eleitoras. Que é feito da célebre amizade com Óbidos?

Nos Espaços Verdes, a verba orçamentada é claramente insuficiente para fazer face às despesas com, por exemplo, o Parque São Carlos e também aqui não há nenhuma proposta nova e as Caldas é o único município do País que não precisou de investir num grande parque da cidade.

No ambiente, mais uma vez adiado o biodiesel e a única aposta é no Paul de Tornada , o que nos parece muito redutor para esta área.

Na Adm. Municipal, temos então a promessa do canil/ gatil e da requalificação do auditório, a ver vamos…

Destaque-se que vem referido a transferência de 300.000€ para os Serviços Municipalizados que nunca é efetuada e que até politicamente tem sido ponto de honra desta gestão autárquica…

Na Juventude, não há uma única ideia, apenas a transferência para ADJ num valor quanto a nós elevado-100.000€ (que se mantém idêntico ao ano anterior).

No Orçamento Participativo, como se sabe não se atingiu o ano passado a totalidade da verba e mais grave não se parece alavancar a mobilização e o debate que se iniciou o ano passado, mantendo a mesma verba do ano anterior.

Na Administração  Autárquica, merecem-nos reflexão as seguintes questões:

  •       O que significa o valor de 80.000€ para pessoal em qualquer outra situação (pag.6/ 50)?
  •     Consegue-se neste tempo ter uma capacidade de recrutamento de pessoal de novos postos de trabalho nas áreas do Turismo, da Juventude, das obras, urbanismo e defesa do meio ambiente?
  •     Continua a ter-se capacidade para ter uma despesa para estudos e pareceres e consultadorias num valor global de 240.000€?
  •     Já se viu a verba destinada a publicidade?
  •     No pré-escolar, propõe-se um protocolo com a Escola Académica de Futebol para dar aulas de actividade física, porquê a opção por esta entidade?
  •   Na cultura, propõe-se uma reabilitação de prédio urbano para o integrar no Centro de Artes, não era para ser a sede do PH?
  •   Na saúde, as ideias e projectos e necessidades não se assumem claramente em termos de orçamento-requalificação do centro de saúde, USF em Stº Onofre, rede de captação e distribuição de água termal;
  •   No bem estar, não se assume novos desafios como um Plano municipal de ciclovias;
  •   Nas feiras, a Feira do 15 de Agosto, continuará sem um rasgo, a ser o parente pobre;

Nos Resíduos sólidos, não intervenção nas ETAR’s e como sabemos ao longo da campanha, detetamos um conjunto de lacunas;

Queremos, no entanto, salientar que houve uma evolução positiva, diminuíram o nº de rubricas a 50€ e aumentaram o nº de rubricas a 100€: habitação jovem, plano estratégico, Caldas Competitiva, Jardins públicos, Variante de Stª Catarina, biodiesel, Quinta da Saúde, Carta Cultural, aquisição de autocarro, reparações de museus, parque de esculturas e de lazer, aquisição de objectos de arte, Teatro da Rainha. Nós diríamos que algumas deveriam  descer para 25€, mas o que demonstramos aqui é a falta de desígnio estratégico-ou são opções ou não são?

Por tudo isto, não concordando com a metodologia de construção do orçamento e das grandes opções do Plano, esperando mais de uma nova dinâmica e de pessoas até de uma nova geração, com a forma e o conteúdo deste orçamento, considerando que ele não está virado para as preocupações das pessoas e para dar um novo impulso à qualidade de vida das pessoas  e que nele também não se vislumbra um rasgo de assumir um protagonismo regional nas áreas do desenvolvimento económico, na saúde, no turismo, na cultura e noutras quando tem as ferramentas para tal, o nosso voto só pode ser desfavorável a este orçamento.

E mais grave ainda, a nosso ver, este orçamento-de obras (discutíveis) e de distribuição de verbas pelas diferentes entidades e associações, leva-nos a discutir qual o papel de um Municipio e qual a sua relação entre eleitores e eleitos. Não se pense que isto é mera retórica porque esta discussão deve vir aí.

O grupo do Partido Socialista na Assembleia Municipal das Caldas da Rainha

Caldas da Rainha, 10 de Dezembro de 2013

Nota: 

Este texto foi lido por António Ferreira, membro da Assembleia Municipal em regime de substituição 

(Manuel Nunes)   (Jaime Neto) (Luísa Barbosa) (José Abegão) (Pedro Seixas) (Conceição Paramos)
Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s