Declaração de voto de abstenção relativamente à  aprovação da proposta de “Regulamento Orgânico do Município das Caldas da Rainha” e “Mapa de Pessoal”

Os Vereadores do Partido Socialista,  Luís Patacho e Jaime Netovotaram pela abstenção relativamente à aprovação da proposta de “Regulamento Orgânico do Município das Caldas da Rainha” e “Mapa de Pessoal” , tendo apresentado a seguinte declaração de voto:

Declaração de voto de abstenção relativamente à  aprovação da proposta de “Regulamento Orgânico do Município das Caldas da Rainha” e “Mapa de Pessoal”

(ponto 1132/2020 da Reunião Camarária de 2020/08/03)

Os Vereadores do Partido Socialista (PS) consideram que a proposta de “Estrutura Orgânica dos Serviços Municipais” e “Mapa de Pessoal”, agora posta à consideração e aprovação, revela melhorias significativas relativamente ao anterior “Mapa de Pessoal da Câmara Municipal das Caldas da Rainha (CMCR)”, sucessivamente apresentado nos últimos três anos deste mandato autárquico de 2017-2021.

Os Vereadores do PS agradecem o esforço e a dedicação dos Serviços da Câmara Municipal das Caldas da Rainha e dos seus funcionários pelo trabalho evidenciado e visível nesta melhoria da estrutura orgânica e respectivo organigrama, com o objectivo de garantir uma maior racionalidade e operacionalidade dos serviços autárquicos, acolhendo também muitas das propostas e observações críticas que os Vereadores do PS têm feito nos últimos três anos de mandato autárquico. De facto, é fundamental assegurar que a tomada das melhores decisões políticas tenha também por base uma estrutura orgânica municipal eficiente, prosseguindo de uma forma dinâmica e crítica os objectivos da simplificação e desmaterialização dos processos administrativos, da partilha de objectivos e metodologias comuns de gestão documental, assim como da adopção de novas formas de relação e comunicação com os munícipes, aperfeiçoando constantemente a produtividade e a eficácia dos procedimentos administrativos.

Os Vereadores do PS consideram, no entanto, que a proposta de “Regulamento Orgânico do Município das Caldas da Rainha” e “ Mapa de Pessoal” deveria ter sido mais ambiciosas nos seus objectivos de modernização e adequação aos tempos de grande transformação que vivemos, decorrentes nomeadamente do processo nacional de descentralização e modernização administrativa em curso, assim como das novas exigências de integração nas políticas municipais dos objectivos definidos pela União Europeia (UE) para as Regiões e Municípios, fundamentais na melhor aplicação dos fundos financeiros da UE para melhorar a qualidade de vida quotidiana dos cidadãos Caldenses.

Em face do acima exposto, os Vereadores do PS apresentam as seguintes observações, propostas e considerações críticas, estratégicas e formais:

  • Continua a observar-se a lacuna do Diretor do Departamento de Obras, Urbanismo e Defesa do Meio Ambiente (DOUDMA), subsistindo a existência de uma única Diretora de Departamento na Câmara Municipal das Caldas da Rainha, o que entendemos não ser suficiente para a desejável articulação e responsabilização do papel dos dirigentes intermédios de 1º grau na implementação dos objectivos de simplificação, racionalização e reengenharia de procedimentos administrativos, conferindo eficiência, eficácia, qualidade e agilidade ao desempenho das suas funções, nomeadamente numa área tão sensível para a qualidade de vida dos cidadãos Caldenses como é o planeamento urbanístico; 
  • A Divisão Administrativa e Financeira continua a ser uma Divisão fantasma, sem qualquer trabalhadores a ela afeta;
  • Deveria ter sido desde já considerado no organigrama da Câmara Municipal das Caldas da Rainha a criação da Divisão de Educação, considerando a futura entrada nos quadros de mais de 240 novos trabalhadores, em consequência da transferência de competências no âmbito da Descentralização em curso; 
  • É fundamental que as Unidades de Desenvolvimento Social, da Cultura e da Educação, como já foi acima referido, saiam desde já da dependência da Divisão Administrativa e Financeira, desde logo porque esta parece apenas existir no papel e também porque é desejável a sua autonomização administrativa considerando a sua relevante missão na implementação das políticas municipais de desenvolvimento social; 
  • Continuamos a entender que o Desporto justificaria ter uma Unidade própria, embora tenha deixado de ser uma Secção conjunta com a Educação e passado a ser uma Unidade conjunta com a Juventude; 
  • Defendemos a criação de um Gabinete de Apoio ao Associativismo, com consagração no organigrama, cuja proposta, aliás, já apresentámos, que se justifica pela relevância do movimento associativo e a atividade por este gerada; 
  • Entendemos que é desejável a transversalidade da Educação, Cultura, Desporto, Juventude e Associativismo, pelo que devem estar organicamente interdependentes;
  • O Desenvolvimento Económico e o Turismo devem ter uma Unidade e Secção, respetivamente, pela importância que devem ter na estrutura da Câmara Municipal;
  • Mantemos o entendimento de que deveria existir uma Unidade de Auditoria Interna, com a missão de monitorizar os processos de organização e comunicação dos órgãos e serviços autárquicos em moldes que lhes permitam dar uma melhor resposta às solicitações decorrentes das suas novas atribuições e competências; 
  • Por outro lado, como temos vindo a defender desde o início do mandato, defendemos a criação de um “Gabinete de Planeamento e Gestão Estratégica”, com esta designação e não como “Gabinete de Candidaturas a Sistemas de Financiamento”, tal como é proposto, porque entendemos ser esta uma designação muito redutora para a definição e implementação dos objectivos essenciais de Planeamento Estratégico a médio e longo prazo que o Município das Caldas da Rainha deve ambicionar, independentemente dos ciclos de 4 anos dos mandatos autárquicos, visando assegurar que uma maior autonomia de decisão tenha sempre como contrapartida uma responsabilização mais directa dos autarcas eleitos; 
  • Entendemos que o “Gabinete de Planeamento e Gestão Estratégica” deverá ter por missão a orientação estratégica das políticas municipais de planeamento territorial e urbano, devidamente articuladas com as políticas e fundos europeus para o desenvolvimento económico e social do concelho; 

Razões pelas quais os Vereadores do PS se abstêm quanto à aprovação da proposta de  “Regulamento Orgânico dos Serviços Municipais” e “Mapa de Pessoal”, agora posta à consideração e aprovação, esperando que as observações, propostas e considerações críticas, estratégicas e formais acima enunciadas sejam definitivamente acolhidas e contempladas num futuro próximo.

Caldas da Rainha, 03 de agosto de 2020.

( Luís Patacho)     (Jaime Neto)


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s