Declaração de voto de vencido contra a renovação de licença de conjunto habitacional na ‘Quinta do Padre’, processo 01/2018/250 titulado por Pinpropco Lda

            

Declaração de voto de vencido contra a renovação de licença de conjunto habitacional na ‘Quinta do Padre’, processo 01/2018/250 titulado por Pinpropco Lda

(ponto 1474/2017 da Reunião Camarária de 2018/10/01)

Os Vereadores do Partido Socialista (PS) votaram de vencido contra a renovação de licença de conjunto habitacional na ‘Quinta do Padre’, situada na Avenida Timor-Lorosae nas Caldas da Rainha, processo 01/2018/250, titulado por Pinpropco Lda., acompanhado de parecer da Divisão de Gestão Urbanística e Planeamento (DGUP) emitido em 19.09.2018, com base, nomeadamente, nas seguintes considerações e fundamentos:

1.  É requerida a renovação de licença de construção emitida em 2006/07/05, depois de o projecto ter tido uma aprovação condicionada em reunião camarária de 2006/02/06, com o voto contra do Vereador do PS na altura, João Pedro Correia;

2. Nessa mesma reunião camarária, o Vereador João Pedro Correia defendeu que “ (…) aquele local não deveria ser destinado a construção habitacional de volumetria igual ou similar à proposta, mas sim a um espelho de água com equipamentos de desporto e lazer, posição que sempre foi tomada pelo PS e que o Sr.Vereador Hermínio Maçãs, embora ausente da reunião, também perfilha” ;

3. Nessa mesma reunião camarária de 2006/02/06 o Sr. Presidente e os Sr. Vereadores da Câmara Municipal das Caldas da Rainha à época, Dr. Fernando Costa, Dr. Tinta Ferreira, Dr. Hugo Oliveira e Arqtº Jorge Mangorrinha decidiram por maioria prescindir dos pedidos de pareceres à CCDR.LVT e à Ordem dos Arquitectos a que se refere a deliberação nº 2116, Acta nº 45 de 2003/11/06, tendo apresentado as seguintes considerações e razões justificativas para a aprovação do projecto, referindo ainda que tais considerações têm por base os putativos esclarecimentos da edição das “Normas Urbanísticas” da Direção-Geral de Ordenamento do Território e Desenvolvimento Urbano (DGOT-DU) :

  • “Atendendo a que a Câmara Municipal entende que um piso vazado, não tendo aproveitamento, não deve ser entendido como um piso para a contabilização do número de pisos do prédio, no âmbito do PDM” ;
  • “Atendendo a que a Câmara Municipal entende que um piso vazado, não tendo aproveitamento, não deve ser entendido como um piso para a contabilização do número de pisos do prédio, no âmbito do PDM” ;
  • “Da mesma forma entende a Câmara que sendo este piso vazado de interesse municipal e arquitectónico, o mesmo não deve ser contabilizado para a cércea do edifício”;
  • “É também parecer da Câmara Municipal que a cércea do prédio deve ser tida em conta pelo alçado principal já que os dois alçados, norte e sul, devido ao declive do terreno apresentam diferenças acentuadas”;
  • “O nº de pisos enquadra-se nas regras do PDM e ainda que a título excepcional, já que se verificam razões de ordem estética que justificam esta solução arquitectónica, ou seja, o número de cinco pisos é bem melhor do que apenas quatro caso não houvesse um piso vasado, sendo certo que o promotor não é beneficiado com área de construção que exceda o previsto no PDM”;
  • “ Entende a Câmara que para a determinação da cércea, deve ser tida em conta a cércea do alçado principal, ou seja, aquele pelo qual o prédio tem acesso”;
  • “Por estas razões entende a Câmara que não há violação do PDM no tocante à cércea, como não há violação do PDM no tocante ao nº de pisos” ;

4. Os Vereadores actuais do PS, Luís Patacho e Jaime Neto, têm um entendimento objectivo dos conceitos e parâmetros urbanísticos de ‘cércea’ e ‘número de pisos’ definidos nas ‘Normas Urbanísticas’ da DGOT-DU e também no Decreto Regulamentar nº 9/2009, de 29 de Maio, rectificado pela Declaração de Rectificação n.º 53/2009, de 28 de Julho, que definem estes conceitos e parâmetros urbanísticos da seguinte forma:

  • cércea ou altura da construção: “A altura da edificação é a dimensão vertical medida desde a cota de soleira até ao ponto mais alto do edifício, incluindo a cobertura e demais volumes edificados nela existentes, mas excluindo chaminés e elementos acessórios e decorativos, acrescida da elevação da soleira, quando aplicável”), observando ainda nas notas complementares que “ A noção de altura da edificação está associada à noção de “invólucro da edificação”, isto é, ao volume total definido pelos paramentos exteriores do edifício, incluindo a cobertura. É este “invólucro da edificação” que interessa definir nos instrumentos de planeamento territorial, dado que é ele que estabelece a quantidade de construção que é realizada ou pode ser realizada numa dada porção do território. O termo cércea, sinónimo de bitola ou gabarito, é, por isso, apropriado para referir a altura da edificação. Não deve ser utilizado para designar a altura da fachada.”     [vidé Ficha Nº 5 da pág. 11 do Decreto Regulamentar  nº 9/2009]
  • Número médio de pisos: “O número médio de pisos (Pm) é oquociente entre a área total de construção (∑Ac) e a área total de implantação (∑Ai) dos edifícios existentes ou previstos para a porção de território a que o parâmetro diz respeito. Ou seja: Pm = ∑Ac / ∑Ai”       [vidé Ficha Nº 43 da pág. 49 do Decreto Regulamentar nº 9/2009]

5. Em face das definições dos conceitos e parâmetros urbanísticos expressos no acima referido Decreto Regulamentar Nº 9/2009, os Vereadores do PS consideram que, salvo melhor opinião, na aprovação do projecto de conjunto habitacional na ‘Quinta do Padre’ situada na Avenida Timor-Lorosae nas Caldas da Rainha, na reunião camarária de 2006/02/06, terão sido, no seu entender, violadas as normas e parâmetros urbanísticos definidos no Plano Diretor Municipal (PDM) das Caldas da Rainha quanto, designadamente, ao número de pisos e à cércea do conjunto habitacional implantado numa área definida no PDM como de média densidade: número máximo de pisos: 4 ; cércea máxima: 13, 5 metros;

6. O conjunto habitacional encontra-se inacabado há mais de 12 anos, prejudicando muito negativamente a imagem e a paisagem urbana das Caldas da Rainha, mas, ainda assim, não poderá deixar de ser acautelado o cumprimento dos instrumentos de ordenamento do território em vigor antes de se aprovar a renovação da licença de construção para o acabar passados mais de 12 anos, sabendo nós que as considerações e entendimentos justificativos para a sua aprovação são, no mínimo, subjectivos e discutíveis, violando, no nosso entender, normas e parâmetros urbanísticos definidos no PDM das Caldas da Rainha em vigor;

7. No nosso entender, o projecto de reconstrução e acabamento do conjunto habitacional é um novo processo administrativo, que deve ser readaptado para respeitar as normas e parâmetros urbanísticos definidos no PDM em vigor e não persistir cegamente no prosseguimento do erro desencadeado pela sua aprovação inicial na reunião camarária de 2006/02/06;

Em face do acima exposto, os Vereadores do Partido Socialista votaram de vencido contra a renovação de licença de conjunto habitacional na ‘Quinta do Padre’ situada na Avenida Timor-Lorosae nas Caldas da Rainha, processo 01/2018/250, titulado por Pinpropco Lda.

Os Vereadores do Partido Socialista na Câmara Municipal das Caldas da Rainha.

Caldas da Rainha, 01 de outubro de 2018

(Luís Patacho)           (Jaime Neto)

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s