Declaração de voto contra a aprovação do projecto de execução de arquitectura do chamado “Memorial SECLA” , processo 01/2019/63 titulado por Prime Unit Lda. 

O Vereador do Partido Socialista,  Jaime Neto, apresentou a seguinte declaração de voto contra a aprovação do projecto de execução de arquitectura do chamado “Memorial SECLA”, processo 01/2019/63 titulado por Prime Unit Lda. :

Declaração de voto contra a aprovação do projecto de execução de arquitectura do chamado “Memorial SECLA” , processo 01/2019/63 titulado por Prime Unit Lda. 

(ponto _______/2019 da Reunião Camarária de 2019/07/01)

O Vereador do Partido Socialista (PS), Jaime Neto, votou contra a aprovação do projecto de execução de arquitectura do chamado “Memorial SECLA”, processo 01/2019/63 titulado por Prime Unit Lda. , com base nas seguintes considerações e fundamentos:

  1. Na reunião camarária de 2018/02/09 os Vereadores do PS votaram contra a aprovação do pedido de informação prévia para obras de edificação de três edifícios nas instalações da antiga fábrica de cerâmica SECLA, processo 03/2018/14 titulado por Prime Unit—Construções Imobiliário Lda. ;
  2. Nesse pedido de informação prévia previa-se já a demolição integral de todo o conjunto edificado da fábrica de cerâmica SECLA, com excepção de um pequeno troço da parede exterior do edifício principal, com o comprimento linear de 14 metros, ao meio do qual se situava a entrada principal da fábrica, encimado em tempos pelas letras ‘SECLA’; 
  3. O projecto de execução de arquitectura do chamado “Memorial SECLA” agora apresentado é uma peça instrumental das intenções já expressas pelo promotor no âmbito do pedido de informação prévia apresentado na reunião camarária de 2018/02/09, que mereceu os votos contra dos Vereadores do PS; 
  4. Na declaração de voto contra a aprovação desse pedido de informação prévia, os Vereadores do PS descreveram os valores éticos e culturais que norteiam a sua acção política e tomadas de decisão, sublinhando que defendem veementemente a preservação, valorização e reabilitação do património cultural comum, nomeadamente o património urbano e arquitectónico construído, porque este constitui um testemunho crucial do trabalho e das aspirações da Humanidade através do tempo e do espaço;
  5. Volta-se a referir que o património urbano e arquitectónico é um capital social, cultural e económico, caracterizado pela estratificação histórica dos diversos valores produzidos por sucessivas épocas, culturas, experiências e tradições, que não deve ser destruído em função das circunstâncias transitórias do presente;
  6. Sublinha-se que a preservação, valorização e reabilitação do património urbano e arquitectónico é de uma importância vital para as Caldas da Rainha, porque contribui para a coesão social e promove ao mesmo tempo os valores da diversidade, da criatividade e da inovação; 
  7. É possível conciliar a reabilitação do património urbano e arquitectónico com as forças dinâmicas do desenvolvimento económico, social e cultural que lhe dão forma e o transformam constantemente, através de uma acção política informada e esclarecida relativamente à hierarquia dos valores que devem orientar as melhores tomadas de decisão política, valorizando os valores públicos em detrimento dos interesses privados;
  8. Por esse motivo, não se pode aceitar que o edifício principal da SECLA, com tão elevado potencial de inspiração e transformação futura em oficinas criativas de salvaguarda, valorização e transformação do seu legado através do desejável renascimento do “Estúdio SECLA”, seja reduzido agora à preservação cínica de apenas 14 metros da sua fachada;
  9. É inaceitável que as pinturas murais de Hansi Stäel, fundadora do mesmo “Estúdio SECLA” e directora artística da fábrica durante muitos e longos anos até quase ao final da sua vida, sejam reduzidas deste modo insensível e insensato a uma experiência de fruição incompleta e amputada, ainda que alegadamente protegidas por um vidro;
  10. É inaceitável a destruição da memória colectiva cultural das Caldas da Rainha e a sua substituição por um memorial fúnebre absolutamente mesquinho e de péssimo gosto estético implantado ao ar livre numa rotunda de acesso a um hipermercado;
  11. Não se pode aceitar a viabilização de projectos que fazem tábua rasa da História das Caldas da Rainha, desprezando os seus valores culturais e identitários! 
  12. O edifício principal da SECLA é um símbolo criativo do passado com um enorme potencial de transformação económica e social no futuro, que pode e deve ser preservado e requalificado; 
  13. Não se pode aceitar que, face aos constrangimentos transitórios do presente, se destrua a memória cultural colectiva do passado e se hipoteque o potencial de transformação económica e social no futuro!

Em face do acima exposto, o Vereador do PS, Jaime Neto, votou contra a aprovação do projecto de execução de arquitectura do chamado “Memorial SECLA”, processo 01/2019/63 titulado por Prime Unit Lda. 

Caldas da Rainha, 01 de julho de 2019. 

            (Jaime Neto)

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s